Monthly Archives: July 2016

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (72)

BEM QUE PODIA SER MAIS TARDE   São agora nevoeiro As nuvens Faz um pouco de frio E como um rio O meu pensamento Feito de palavras certas Arde E voa e flui como um lamento Amanheceu cedo, o dia… … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (140)

O PORTO EM IMAGENS (6) Continuamos em período de férias, o calor aperta, e sabe bem olharmos para imagens da nossa belíssima cidade.                   M… Fonte: UMA CARTA DO PORTO – Por … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

CONTOS & CRÓNICAS – “A HISTÓRIA INTERMINÁVEL QUE MEU PAI ME CONTAVA” – Por José Magalhães (15)

UMA HISTÓRIA INTERMINÁVEL Ia eu por ali a passar, subindo e descendo por uma ladeira acima, quando ouvi dois tiros. Pum!, Pum!. Horríveis, assustadores, medonhos. Juntou-se muita gente, muita gente… Fonte: CONTOS & CRÓNICAS – “A HISTÓRIA INTERMINÁVEL QUE MEU … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

CONTOS & CRÓNICAS – “POIS É” – Por José Magalhães (17)

POIS É! . Quand il ne disait rien il observait le silence . Parávamos todos os dias no mesmo local para descontrair e tomar um café. Olhei-a de longe, mais tempo do que deveria. Nem sei porquê. Naq… Fonte: CONTOS … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (139)

ABRIU A CAÇA AOS GAMBUZINOS Na última sexta-feira resolvi, como faço muitas vezes durante a semana, passear pelo centro da minha cidade.   Era já perto do fim da tarde e o calor apertav… Fonte: UMA CARTA DO PORTO – … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

CONTOS & CRÓNICAS – “PERFUME NÃO PODE TER” – Por José Magalhães

ROSA DE PORCELANA PINTADA No princípio do século vinte os hotéis e pensões tinham quartos para alugar que não possuíam quarto de banho. Este situava-se normalmente ao fundo do corredor e servia tod… Fonte: CONTOS & CRÓNICAS – “PERFUME NÃO … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment

IMAGEM E POESIA – por JOSÉ MAGALHÃES (71)

AO QUE CHEIRA, NEM EU SEI Olho para ti E vejo que não estás cá Aquém O teu corpo, sim A mão que me afaga, também. Saíste em busca do nada Do cheiro da madressilva em mim Do pomar que … Continue reading

Posted in Uncategorized | Leave a comment